Arquitetos de Londres-2012 ganham concurso urbanístico para Rio-2016

21/08/2011 09:52

/08/2011 12h11 - Atualizado em 19/08/2011 14h23

Arquitetos de Londres-2012 ganham concurso urbanístico para Rio-2016

Escritório Aecom é escolhido para o plano geral do Parque Olímpico. Prefeito Eduardo Paes ressalta a criação de um novo bairro na cidade após os Jogos

Por Lydia Gismondi Rio de Janeiro

A primeira vez que o arquiteto Adam Williams veio ao Rio de Janeiro foi em novembro do ano passado. Apesar da pouca intimidade com a cidade, ele foi o responsável pela vitória do escritório britânico Aecom, idealizador do Parque Olímpico de Londres-2012, no Concurso Internacional para o Plano Geral Urbanístico do Parque Olímpico dos Jogos Rio-2016. O projeto, que tem como um dos destaques uma enorme avenida que lembra o calçadão de Copacabana, foi anunciado como campeão em cerimônia realizada nesta sexta-feira, no Rio, com a presença do prefeito Eduardo Paes e o ministro do Esporte Orlando Silva.

O concurso, em parceria com o Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), reuniu 59 trabalhos de escritórios de arquitetura de 18 países. O júri de sete integrantes foi formado por representantes do governo federal, prefeitura, Comitê Rio-2016, União Internacional de Arquitetos e IAB.

- Tinha que ser um excepcional projeto durante os Jogos e para depois da competição. E esse projeto conseguiu isso, com um desenho urbanístico de boa qualidade e até com certa referência a valores paisagísticos do Rio de Janeiro. Se você reparar, tem um movimento sinuoso, preto com branco, que remete a um dos ícones mais importantes da paisagem do Rio - ressaltou Sérgio Magalhães, presidente da IAB.

O projeto vencedor foi liderado pelo arquiteto Adam Williams e executado por cerca de 20 profissionais da empresa Aecom. Após o anúncio do resultado do concurso, Williams e representantes do escritório no Brasil, que acompanhavam a cerimônia no Rio de Janeiro, comemoraram muita a vitória. O grupo usou a experiência em outros eventos esportivos, como no Parque Olímpico de Londres-2012, para a criação do principal legado do Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

- Foi usada a experiência olímpica, o entendimento do impacto que os Jogos causam em uma cidade. Mas você tem que adaptar à sua realidade, trazer para a realidade carioca. Não é uma importação - explicou Paulo Coelo, diretor da Aecom no Brasil.

Área de mais de um milhão de metros quadrados formará um novo bairro no Rio

O Parque Olímpico será o coração dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016. Ocupará uma área de 1,18 milhão de metros quadrados na região onde hoje é o autódromo de Jacarepaguá. Lá, serão disputadas 15 modalidades olímpicas e 11 paraolímpicas. Depois da competição, 40% da área serão transformadas no Centro Olímpico de Treinamento (COT) e 60% serão aproveitados em novos empreendimentos. O projeto apresentado pelo grupo britânico inclui projetos de utilização do local para antes e depois de 2016.

- A gente olha para o projeto e é uma coisa fantástica. A nossa preocupação é sempre com o que vai sobrar para a cidade no dia seguinte, como a gente utiliza da melhor maneira aquela área. É um novo bairro que vai surgir no Rio depois das Olímpiadas - disse Eduardo Paes.

Durante a cerimônia desta sexta, o prefeito do Rio de Janeiro ressaltou que a cidade já está adiantada no cronograma de preparação para os Jogos Olímpicos de 2016. Paes chegou a brincar durante o seu discurso dizendo que a pontualidade dos cariocas iria "deixar os londrinos evergonhados". A ideia é que as licitações para a construção do Parque Olímpico sejam feitas no fim deste ano para que as obras comecem em 2012. A previsão é que a área seja entregre em 2015.